Visitar o Grand Canyon ao vivo certamente está na sua lista de viagens dos sonhos. Mas por onde chegar? O que fazer? Do que abrir mão? É uma escolha difícil pois todas as alternativas tem suas observações. Vamos dar aqui todas as dicas para quem quer fazer o passeio por conta própria de carro e para quem quer fazer o passeio de ônibus ou helicóptero com empresas especializadas, além de dicas dos melhores tours, onde comprar e de como conseguir o melhor preço e descontos incríveis.
 

Quando ir?

 

Inverno: é possível apreciar os paredões e picos repletos de neve. Em alguns lugares do Grand Canyon South Rim, a quantidade de neve é gigantesca por causa da altitude.
 
Primavera: as nuvens no interior do Canyon dão a ele um charme especial, devido às mudanças repentinas no clima. 
 
Verão: além do fantástico pôr do sol, o parque fica cheio de vida e repleto de animais como esquilos, condores e até ursos nos picos de montanhas mais altas.
 
Outono: algumas poucas espécies de arvores chegam a mudar de cor colorindo a paisagem principalmente no North Rim antes de seu fechamento em 15 de Outubro. No entanto esta é uma época que pode tanto fazer 30°C num dia, como pode vir a nevar no outro. Então o ideal é estar preparado para estas mudanças bruscas de temperatura.
 

 

Quantos dias?

 

 
Muitas pessoas reservam apenas um dia para conhecer o Grand Canyon, normalmente saindo de Las Vegas. Não aconselho a fazer isso, pois é muito corrido e não vale a pena o tempo que você leva de viagem ou então muitas pessoas se contentam com o Grand Canyon West, que fica localizado fora do parque nacional. O ideal é hospedar-se por pelo menos duas noites, dentro do parque ou em uma das cidades próximas. Para quem gosta de atividades ao ar livre vai encontrar diversão para quatro dias, facilmente.
De Las Vegas até a borda Sul do Grand Canyon
De Las Vegas para o Grand Canyon
A viagem de Las Vegas até a parte sul do Grand Canyon é muito bonita e tem várias atrações no caminho. A viagem dura umas 4 horas, mas você provavelmente levará mais tempo parando nos lugares. Depois que andar 55km, você vai avistar a gigantesca Represa Hoover Dam, que abastece toda a cidade de Las Vegas e é uma obre enorme e muito bonita de se ver. A viagem de carro até o Grand Canyon é simplesmente inexplicável.
 
Represa Hoover Dam
No quilometro 85, pare na cidade de Peach Springs, para conhecer as Cavernas do Grand Canyon, que tem visitas programadas a cada 30 minutos. Seguindo novamente na estrada, que é linda e muito bem construída, depois de andar mais 60 quilômetros você vai chegar na cidade de Seligman, uma cidadezinha super charmosa, igual as que você vê em filmes de velho oeste. Andando mais 68 quilômetros tem a cidade de Wiliams, que também é uma boa opção para se hospedar. E 60 quilômetros adiante você chega na cidade de Tusayan. Você já estará próximo do parque nacional.
 
 PARA MELHOR ENTENDIMENTO – CLIQUE PARA VISUALIZAR MELHOR
Grand Canyon South (South Rim)
A visita mais deslumbrante do Grand Canyon se faz pelo acesso sul do Parque Nacional , a 450 quilômetros de Las Vegas, 100 quilômetros de Williams, 135 quilômetros de Flagstaff. Doze mirantes espetaculares e uma série de trilhas vertiginosas contribuem para tornar este trecho o mais visitado do canyon. A Borda Sul está aberta o o ano inteiro; no verão do hemisfério norte (junho a agosto) tende a lotar de turistas. O ingresso custa US$ 30 por carro ou US$ 15 por pessoa entrando em van ou ônibus; o passe vale por uma semana (inclusive para ir à Borda Norte). Compre seus ingressos nos estabelecimentos comerciais da cidadezinha de Tusayan e evita filas na bilheteria.
 
Grand Canyon South (South Rim)
É permitido andar com o carro e parar onde quiser no Grand Canyon, respeitando sempre as sinalizações. Vale a pena retornar aos seus pontos favoritos em diferentes horas do dia, a luz do sol tem o poder de mudar a paisagem, sobretudo ao entardecer. As demais atividades no interior do cânion, no entanto, são estritamente regulamentadas. As três atividades abaixo precisam ser reservados com pelo menos 9 a 12 meses de antecedência.
  • O passeio de mulas até a base do Canyon (restrito a 10 visitantes por dia);
  • O pernoite no Phantom Lodge (próximo ao rio Colorado); 
  • A travessia de barco pelas corredeiras (que duram de 4 a 21 dias); 
O único passeio que ainda é fácil de fazer é o tour de helicóptero, curta em torno de US$ 180 a US$ 200 por pessoa para um percurso de meia hora. Mas não se atrase: o passeio está sob a mira dos ambientalistas, que querem acabar com os sobrevoos. No momento os tours podem ser feitos apenas no Corredor do Dragão, um vão magnífico que permite observar da Borda Sul à Borda Norte. Dentro de alguns anos é possível que só seja permitido sobrevoar o Canyon fora dos limites do parque.
Os melhores passeios guiados podem ser agendados no centro de visitantes da National Geographic de Tusayan: caminhadas e tours conduzidos por geólogos e biólogos. No local também funciona o cinema IMAX; vale a pena começar a sua visita assistindo ao premiadíssimo filme sobre o Grand Canyon exibido na tela gigante.

Grand Canyon North (North Rim)

 

O acesso norte ao Parque Nacional, 443 quilômetros de Las Vegas, 200 quilômetros de Page, é o lugar menos visitados pelos turistas pois a quantidade de mirantes e locais para apreciar a vista são muito menores do que na borda Sul. A parte North só fica aberta de 15 de maio a 15 de outubro, tem apenas três mirantes e pouca mordomia. É para quem deseja contemplar as vistas (espetaculares) e fazer as trilhas sem muita companhia. A vegetação e a fauna são peculiares: a Borda Norte está mais de 300 metros acima da Borda Sul; o clima é mais frio e o ar, mais rarefeito. O ingresso custa US$ 30 por carro ou US$ 15 por pessoa entrando de van ou ônibus, e vale por 7 dias consecutivos, isso vale para a parte sul também..
 
Grand Canyon North (North Rim)
 
Os complementos: Grand Canyon West e Lake Powell
 
Existem dois motivos para visitar áreas do Grand Canyon que não pertencem ao Parque Nacional. Uma é a distância e a outra é fazer atividades que não são permitidas dentro dos limites do parque.
O Grand Canyon West se enquadra nos dois casos. Por estar a apenas 195 km mais ou menos 2:20hrs de Las Vegas, torna possível até o bate-volta de ônibus. E por estar em uma reserva indígena, não se submete ao regulamento rígido do parque. É neste ponto que foi instalada a Skywalk, uma passarela de vidro que dá a sensação de caminhar no ar sobre o vazio do Canyon. 
 
Skywalk 
O ingresso para o parque incluindo a Skywalk custa US$ 81 mais os US$ 35 da foto na passarela, já que não pode levar suas próprias câmeras à passarela. Operadores de Las Vegas oferecem tours de helicóptero nesta área com possibilidade de descer até a base do Canyon. Outro muito procurado é o rafting também é muito procurado.
Já a cidadezinha de Page, à beira do Lake Powell, é o ponto de partida para uma travessia de bote pelo trecho mais tranqüilo do rio Colorado, atravessando o imponente Glen Canyon – uma espécie de antessala do Grand Canyon. Page está a 290 quilômetros de Flagstaff (pouco mais de três horas de estrada).
 
Lake Powell
Grand Canyon Village
 
Existe um lugar chamado Grand Canyon Village, é uma pequena vila localizada na borda sul. As opções vão desde o classudo El Tovaro rústico Bright Angel Lodge. O maior hotel é o Yavapai Lodge. Todos devem ser reservados com pelo menos 6 meses de antecedência (9 meses para a temporada de verão – entre junho e agosto – e grandes feriados americanos). Reservas pelo site grandcanyonlodges.com .
 
 
Cidade: Tusayan
Localizada a 12 quilômetros da entrada do parque, esta cidadezinha tem uma coleção de hotéis básicos e funcionais, perfeitos para quem não conseguiu reservas nos hotéis da Grand Canyon Village. São seis: Holiday Inn Express, Best Western Grand Canyon Squire Inn, Grand Canyon Plaza, The Grand Hotel, Red Feather Lodge e Canyon Plaza Premier Studio Apartments. Reserve com pelo menos 3 meses de antecedência. O centro de visitantes da National Geographic fica na vila, que também oferece vários restaurantes.
 
Cidade: Williams, chegando de trem
 
A cidade histórica de Williams, a 100 km do parque, proporciona a visita mais charmosa: você pode chegar a bordo dos trens vintage da Grand Canyon Railways. A viagem de ida e volta custa US$ 65 e precisa ser feita no mesmo dia; você terá 3 horas e 45 minutos no parque (recomenda-se complementar com um tour de ônibus da mesma companhia). O aeroporto mais próximo é o de Flagstaff, a 65 quilômetros.
 
Para quem quiser fazer uma boquinha pela cidade, existe uma lanchonete super chamosa e cheia de estilo chamada Twisters 50′ Soda Fountain.
 
Twisters 50′ Soda Fountain
Endereço: 417 E Rte 66, Williams, AZ 86046, EUA
Horário: segunda a sexta de 10h ás 21h no verão e primavera e no inverno e outono 20h. Fechado aos domingo e alguns feriado.
 
Cidade: Flagstaff, o aeroporto mais próximo
 
A uma hora e meia de carro da entrada da Borda Sul, esta cidade charmosa do Arizona tem o aeroporto mais próximo do parque a receber vôos regulares, todos provenientes de Phoenix. Também serve para quem chega de avião e não quer alugar carro.
Bate-volta de Las Vegas ao Grand Canyon
Você só tem mesmo aquele dia de sobra em Las Vegas para ir ao Grand Canyon e voltar? Pois não. O passeio ao verdadeiro Grand Canyon envolve ida e volta de aviãozinho até Tusayan, junto à Borda Sul; lá você desembarca e visita dois ou três mirantes no ônibus do tour. (É possível pagar à parte por um tour de helicóptero). Os tours de helicóptero que saem de Las Vegas são na verdade ao Grand Canyon West. Como a borda oeste fica fora da área do parque nacional controlada pelo governo, esses tours podem incluir pouso na base do Canyon. Há também muitos tours ao Grand Canyon West de ônibus (incluindo uma parada na represa Hoover Dam) ou mesmo de 4×4 Hummer. A entrada para a Skywalk é cobrada sempre à parte. Não é recomendável fazer bate-e-volta por terra à Borda Sul; o passeio completo leva mais de 15 horas e você tem pouquíssimo tempo no parque.